Trinta e três das 45 corporações de bombeiros do distrito do Porto entregaram hoje “simbolicamente” as chaves das ambulâncias ao Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) de forma a alertar para as dificuldades logísticas e financeiras do setor.

“Asituação é insustentável e coloca em causa a emergência médica. A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) não tem apoiado com a quantidade suficiente nos equipamentos de proteção individual (EPIs). Estamos ao serviço do Estado e não estamos protegidos, nem conseguimos proteger as populações”, disse o comandante dos Bombeiros Voluntários (BV) de Paredes.

José Morais falava aos jornalistas à porta da delegação do INEM do Porto e junto a outros comandantes e presidentes de associações humanitárias do distrito antes da comitiva ter sido recebida pelo diretor regional do INEM.

Já num comunicado distribuído à imprensa lê-se que “as associações signatárias manterão as ambulâncias INEM inoperativas por falta de EPIs, cuja responsabilidade de apoio e entrega é do Estado através do INEM e da ANEPC”.

No entanto, a comitiva frisou que “o socorro às populações nunca estará em causa” e que a entrega simbólica das chaves das ambulâncias Posto de Emergência Médica (PEM) “serve para chamar a atenção para as enormes dificuldades das corporações de voluntários sobretudo num momento em que o quadro epidemiológico [pandemia da covid-19] se tem agravado”.

Ao lado, o comandante dos Bombeiros Voluntários (BV) de Ermesinde, concelho de Valongo, contava aos jornalistas que a sua corporação tem feito 25 a 30 serviços de emergência em média por dia, sendo “todos tratados como suspeitos covid-19 positivos”, o que significa “equipar da cabeça aos pés pelo menos dois tripulantes de ambulâncias.

“Gastamos mais de 100 máscaras por dia e o tempo de serviço duplicou quer porque a entrega de doentes nos hospitais é mais demorada, compreensivelmente, quer porque temos de fazer a descontaminação dos carros a cada transporte”, referiu o comandante de Ermesinde.

Já o presidente dos BV da Trofa, Luís Elias contou que a ANEPC entregou recentemente EPIs que “duraram uma semana e chegaram incompletos”.

Máscaras, fatos completos, tapa botas, luvas, óculos e toucas são os itens que o INEM exige por lei que os BV usem, mas segundo o dirigente da Trofa “grande parte não faz parte dos kits que estão a ser distribuídos”.

Estas 33 corporações alertam que o acordo de colaboração celebrado em 2012 entre INEM, ANEPC e Liga de Bombeiros Portugueses “não cobre atualmente os custos reais dos consumíveis que o próprio instituto exige”.

“Refira-se a este propósito que o INEM comparticipa com o valor de dois euros a aquisição de consumíveis quando os custos atuais inerentes à pandemia e proteção dos bombeiros ultrapassam largamente esse valor”, lê-se num comunicado entregue à imprensa.

Quanto às entregas de EPIs feitas pela ANEPC, os bombeiros voluntários do Porto apontam que “as entregas efetuadas não cobrem 25% das necessidades”.

A agência Lusa contactou o Ministério da Administração Interna, que tutela a ANEPC, mas ainda não foi possível obter reação.

Já fonte do INEM indicou aos jornalistas que um responsável falará após a reunião com as corporações do distrito do Porto, a qual decorre teve início cerca das 13:30 e, cerca das 14:30, ainda decorre.

Em Portugal, morreram 3.181 pessoas dos 198.011 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Fonte: Agência Lusa