Bombeiros criam equipa de rescaldo em Portimão

Projeto pioneiro para evitar reacendimentos.
A Proteção Civil de Portimão criou uma unidade de operações de rescaldo para fogos rurais, composta por bombeiros e sapadores florestais, apoiados por uma máquina de rastos e um drone, com câmara térmica.

Esta iniciativa pioneira no País tem como objetivo evitar reacendimentos. “A unidade operacional surge de um processo de lições apreendidas nos anos anteriores e visa garantir uma missão essencial, que é a sustentação e consolidação da extinção de incêndios rurais”, explica Paulo Moleiro, adjunto de comando dos Bombeiros de Portimão.

O objetivo é atacar “todos os pontos quentes” e fazer “a consolidação do rescaldo”, realça o chefe Nuno Mariguesa, responsável por esta unidade especializada.

O trabalho exige esforço físico, dado que os operacionais trabalham apeados, com ferramentas manuais e mecânicas, muitas vezes em locais inacessíveis por veículos.

Pormenores
Drone e máquina de rasto
Estes elementos especializados contam com a ajuda de um drone, dotado de câmara térmica que permite detetar os pontos quentes.

Uma máquina de rastos dá também um importante contributo no trabalho desenvolvido por estes operacionais.

Importância da missão
No incêndio do ano passado em Monchique foram detetadas falhas no rescaldo pelo Observatório Técnico Independente.

Segundo estes especialistas, se as operações de rescaldo tivessem sido bem executadas não teria havido tantas reativações.

Primeira missão real foi cumprida em Monchique
A unidade de operações de rescaldo teve a sua primeira intervenção em cenário real no mês passado. Foi num fogo que deflagrou na encosta norte da serra de Monchique e que assustou a população.

“Foi uma experiência que correu bem”, refere Nuno Mariguesa. O grupo é constituído por uma dezena e meia de operacionais, existindo ainda elementos que poderão fazer a rendição, caso seja necessário.

Fonte: Correio da Manhã