Operadores do CDOS e CNOS Perdem 300 Euros no Salário

Os operadores das centrais de emergência estão em protesto contra a revisão das carreiras do Estado e não aceitam, no processo de integração de precários, ser colocados como assistentes técnicos onde vão perder cerca de 300 euros do vencimento. Aqueles profissionais recebem um salário médio de 1000 euros e com a integração na tabela salarial da Função Pública vão passar a ganhar à volta de 680 euros.

“O que o Estado lhes está a propor não lhes reconhece uma carreira especial”, afirma o presidente do Sindicato Nacional dos Bombeiros Profissionais, Sérgio Carvalho.

A maioria dos operadores do CDOS e CNOS exerce funções desde há 20 ou 30 anos e como assistentes técnicos o peso da antiguidade no salário deixa de existir.

Na passada segunda-feira, o Secretário de Estado do Ministério da Administração Interna em reunião com os chefes de sala das centrais de emergência, garantiu que não haverá diferença a nível de vencimentos quando os precários passarem a ser assistentes técnicos. No entanto, Sérgio Carvalho afirma que os operadores querem uma carreira especial e pede garantias de que os vencimentos serão os mesmos.

O presidente do Sindicato dos Bombeiros Profissionais recorda ainda que a carreira de Operador de Central de Emergência é a mais antiga na estrutura e que se deve ter em conta a antiguidade.

O CM tentou contactar o Ministério da Administração Interna mas sem sucesso.

Fonte: Correio da Manhã