Liga Nacional desvendou algumas das propostas em negociação com o Governo até ao final de janeiro, assinalando entre as principais vitórias a autonomia e orçamento próprio de uma nova Direção Nacional de Bombeiros.

“A Direção Nacional de Bombeiros com autonomia e orçamento próprio é um facto”, anunciou Jaime Marta Soares, à saída da reunião da Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP), este sábado, em Pombal (Leiria).

Segundo o representante dos soldados da paz, “fica a faltar a definição e o modo de funcionamento de um comando autónomo, porque a Proteção Civil não pode ser uma estrutura de comando, mas de coordenação”.

Em jeito de cedência, os bombeiros estão dispostos a aceitar “integração a nível de NUTSII (distritos), mas não NUTS III (concelhos)”.

Além disso, os elementos que integram as Equipas de Primeira Intervenção (EPI) podem contar com “aumento de 20% na remuneração”, faltando apenas o aval da Associação Nacional de Municípios Portugueses. “Não é muito, estes elementos que arriscam a vida todos os dias pelo salário mínimo nacional e agora não ultrapassará 750 euros mensais, mas é de enaltecer a atitude do Governo”, resumiu o líder da LBP.

As principais reivindicações dos bombeiros voluntários terão sido já atendidas pelo Ministério da Administração Interna, restando “negociar outras até 31 de janeiro”. Entre essas, e que Marta Soares avisou que “não abdicam”, encontra-se a bonificação em 20% da contagem do tempo para a reforma e a bonificação dos incentivos fiscais para voluntários, algo que está a ser estudado por um grupo de trabalho que “deverá apresentar proposta e regulamentação até 28 de fevereiro”.

Como prova de “boa fé”, os bombeiros mantêm a suspensão dos protestos, nomeadamente o silêncio nas comunicações com a Proteção Civil, até à data do próximo congresso, a 23 de março de 2019.

Fonte: JN